Categoria "DIETA PALEOLÍTICA"

Jacou no Dia dos Namorados? O que Fazer?

Em 13.06.2016   Arquivado em DIETA PALEOLÍTICA

E aí, como foi o final de semana do dia dos namorados de vocês?

O meu foi com vinho, amigas e família rsrs.

Essas datas comemorativas são pra tirar qualquer um da linha né? E se você foi uma dessas pessoas, e agora esta com a consciência pesada, não apavore, isso é super normal e super aceitável em qualquer dieta ou qualquer estilo de vida. Mas também não use isso como uma válvula de escape pra fazer todo final de semana.

E a culpa?

Imagem: Internet

Imagem: Internet

Tem alguém culpado ai por ter saído da dieta, e hoje está com dificuldade de voltar, porque sobrou aquele chocolatinho e não quer dar pra alguém ou simplesmente não comer?

Se você é daquelas pessoas que segue a dieta corretamente, sem sair da linha, sem “jacar” nenhum dia, mas logo no dia dos namorados queria agradar o boy magia jantando com ele o que ele queria, não se culpe por isso. Volte hoje como se nada tivesse acontecido e pronto, porque se você sabe o seu equilíbrio, nada melhor que dar uma escapadinha de vez em quando.

Mas se você é daquelas pessoas que não consegue seguir a dieta a risca, que sempre que tem algo que você goste, você coma, e ontem foi muito pior, porque você comeu como se o mundo fosse acabar, porque hoje é segunda, o dia internacional de “hoje eu começo a dieta”, também não se preocupe, não sinta culpa.

É isso mesmo. Comece de novo, e de novo e de novo. Só de você não querer desistir já é um passo, não é mesmo? Comece a listar os pontos fracos, o que te deixa sair da linha e tira isso do seu cotidiano.

O Teco Mendes, dono do Blog SendoPaleo, conta em um dos posts dele que seu ponto fraco era o doce de leite, que ele não podia ver que queria comer como se um dia fosse acabar.

O meu caso é o sorvete. É sou normal também, tenho vontades, desejos e pontos fracos como todo mundo tem. E antes o que me tirava da dieta era esse maldito, até porque lá em casa tinha um pote no congelador todo final de semana, a minha irmã magra de ruim que não engorda nem a custa de reza brava compra aqueles tipo McFlurry, que aqui na minha cidade tem uma imitação deles, sem contar todos os amigos que não fazem dieta e tomam perto da gente né? Só que isso vai passando, como aconteceu no meu caso. Hoje em dia não sinto mais aquela compulsão por tomar um sorvete, até porque sei dos males que ele me causa e consigo lidar com as tentações que tem ao meu lado.

Vá fazendo isso, tirando do seu dia a dia o que deixa você desviar o foco, e caso aconteça, volte do início, comece tudo de novo que um dia você consegue. Leve como aprendizado, veja qual ocasião te fez comer aquilo, se seu estado emocional estava abalado, se brigou com o namorado, se discutiu com a mãe, se levou bronca do patrão, e aí da próxima vez que pensar em desviar a dieta, pega o dinheiro que você vai gastar comprando besteira e compra bacon, compra um sapato, uma roupa, vai agregar bem mais.

Depois que você começar a aprender, comece a ser radical, igual a um viciado em cocaína, que tem que largar o vício de uma vez por todas, até porque ele não vai deixar pra tirar o dia do lixo dele pra fumar né?

Acho que não esqueci nada. As novidades é que agora vai ter post toda semana e vou contando sobre o nosso cotidiano, pra inspirar mais vocês e ajudar acima de tudo.

Um beijo e um queijo (porque é paleo)! Até o próximo post.

Obrigada e me sigam nas redes sociais.

Snap: isaffilbida

Instagran: isaffilbida.farma

Facebook: Isadora Fernandes Fílbida.

Força de Vontade e Disciplina!

Em 30.05.2016   Arquivado em DIETA PALEOLÍTICA

Oi gentem, tudo bem com vocês?

Estava pensando aqui e decidi sair um pouco desses assunto chatos de estudos e mais estudos. Até ia falar da lactose, mas vou deixar para o próximo post.

Quero falar de um assunto que sempre me é questionado: “COMO VOCÊ CONSEGUE?”

Então. Vou contar como que eu decidi viver assim, como eu consigo ir aos lugares e não comer nada de “errado” ou “fora da dieta”.

isaaaa

Vamos falar de força de vontade?

São as palavrinhas mágicas para qualquer dieta né? Mas eu não digo que seja só pra essa finalidade. A força de vontade tem que caber em todos os momentos de nossas vidas, não só pra iniciar uma dieta, mas também pra alcançar objetivos e metas.

Primeiro eu acho que você tem que determinar o que você quer pra sua vida. (Vamos falar da dieta agora). Você quer ser magro, bombado, fitness, gostosa e outros ramos dos famosos corpos brasileiros (pode ser de outro país também)? Então comece a seguir o caminho pelo qual você escolheu. É simples! E começa com a tal da força de vontade.

Eu falo que pra mim foi mais fácil, pq como já havia dito no primeiro post (se você não leu, então leia kkk) eu fiz uma faculdade na área da saúde (farmácia) e que graças a Deus e uma professora da matéria de Bromatologia que mandou um grupo da sala falar de refrigerantes, eu comecei a ficar meio “noiada”. Pra você ver!

– Depois vocês pesquisam sobre a realidade dos refrigerantes, que quem não sabe, vai pirar que nem eu. E não vai no site da Coca não, porque lá eles não contam o que é aquilo de verdade.

Então a partir desse trabalho eu decidi parar de tomar refrigerante e sucos de caixinha e ficava na água ou sucos naturais, e nisso já se foram 4 anos (não sinto falta).

Ok! Minha força de vontade começou ai. Mas a alimentação em si era horrível, porque eu ficava o dia todo na faculdade, comia salgados fritos, assados, cheios de farinha branca, açúcares de todos os tipos, várias bruxarias e a pancinha foi só crescendo, as celulites aumentando, as roupas aumentando de tamanho e por aí vai. E você acha que eu não gostava? Lógico que gostava, eu era viciada em açúcar.

De 3 anos pra cá comecei a seguir uma reeducação alimentar, mas tirava o “dia do lixo” e extravasava, ou até durante a semana mesmo, com aquele pensamento assim: “Ah, hoje eu comi tudo certinho, posso tomar um sorvete ou comer um docinho”. E assim ia.

Nunca fui gorda demais, exceto quando fiquei nem aí pra nada, que engordei 9 kg. Mas isso foi 1 ano depois dessa reeducação alimentar, porém engordei isso tudo em menos de 2 meses e me mantive assim por mais ou menos 6.

Comecei dieta “frangoovoebatatadoce”. Emagreci, lógico. Passava fome, comia ovo (só as claras), frango, batata doce o dia inteiro e alguns “integrais” também. Comprei até uma frasqueira térmica pra carregar as marmitas porque não podia passar de mais de 3h sem comer (ela ainda é útil, se quiser pode ter uma em casa.). Desenvolvi a tal gastrite e refluxo com 4 meses de dieta. Tratei por 2 meses com medicação, mas mesmo assim continuava com a mesma dieta. A força de vontade aqui teve que ser dobrada, porque eu morava com vó (imaginou o problema?).

Eu vou contar um segredo que às vezes vai funcionar pra você, porque funcionou para mim, mas você precisa ter fé.

“Pronto, fé e força de vontade. Lascou!”

Mas é sério. Você acredita em Deus? Faz uma promessa de ficar 2 meses seguindo uma dieta restrita. Ou mais se conseguir. Você é capaz de cumprir? Olha que Deus cobra futuramente em!? Você vai deixar a comida controlar sua mente? São só dois meses. O que são dois meses para o resto da vida?

Foi assim que eu não “jacava”. Porque eu também sou uma pessoa normal, igual todo mundo que sente vontade de comer guloseimas, fomos criados assim, não temos culpa.

Puff, conheci a paleo!! UHUL, só alegria. (Exatos 1 ano e 4 meses)

Começou a força de vontade de novo, porque no Natal eu pequei e comi tudo “errado” de novo.

Descobri que só precisava dessa força de vontade no início.

Tcharan!!

Ta bom. Tive que estudar muito e ainda estudo, até porque preciso passar informações corretas de um assunto que estou abordando não é mesmo?

Quebrei os paradigmas na minha cabeça que estavam enraizados. É aí que entra a parte da facilidade que eu tive porque estudando metabolismo na faculdade, pude entender facilmente como nosso organismo funciona de verdade. Vi que gordura não faz mal, que os integrais não existem, que é só um migué da indústria alimentícia pra facilitar a vida do mundo e arrancar dinheiro do consumidor e que frutas não são tão saudáveis quanto imaginamos. Opaa, pronto, porque frutas não são saudáveis? Vou deixar um post destinado só pra elas, as nossas guloseimas da natureza.

E assim fui seguindo, descobrindo o meu corpo, o que me fazia mal, o que me fazia bem, iniciando jejuns de poucas horas, entendendo o que é fome, o que é gula, o que é vontade de comer e o que é ansiedade. Melhorei minha atenção, minha disposição só aumentou, dores de cabeça indevidas sumiram, a gastrite nunca mais voltou, mesmo fazendo jejuns prolongados. Enfim, vou também deixar um post destinado só para os benefícios desse estilo de vida.

Agora você já não precisa de força de vontade, porque você começar ver esses benefícios, começa a colocar dentro da sua cabeça que saúde é fundamental. Lembra que no início eu disse que você precisa pensar qual seu objetivo? O meu é saúde, e consequentemente a estética corporal vem de brinde.

E a disciplina?

Disciplina é obedecer a regras, é quando você coloca algo para funcionar. Coloca como parte do seu dia a dia e deixa entrar na sua rotina. E quando você menos espera tudo que você achava que era sacrifício, vira rotina. Você fica disciplinado em fazer aquilo todos os dias e pronto. Vai ao supermercado e nem entra nas prateleiras cheias de saquinhos, porque sabe que aquilo lá não é comida, pensa em vários pratos pra começar a fazer. E aí, tudo que no início era anormal, agora fica normal.

Quem vê assim até pensa que é fácil né?

Mas vem cá, quem disse que seria fácil?

Eu escolhi a saúde! E você?

Trace seu objetivo e corra atrás dele, independente de qual for.

Um beijo grande e abraço apertado! Até o próximo post.

Obrigada e me sigam nas redes sociais.

Snap: isaffilbida

Instagran: isaffilbida.farma

Facebook: Isadora Fernandes Fílbida.

Um pouco sobre Dieta Paleo

Em 21.05.2016   Arquivado em CLUBMAMAESFIT, DIETA PALEOLÍTICA

Bom dia meninas, segue o post do @clubmamaesfit dessa semana. Ontem falei um pouco sobre a dieta paleo que nossa colunista Isadora escreve no blog. A dieta é um assunto muito novo e cheio de paradigmas, as pessoas ainda não tem conhecimento como a dieta funciona e os fundamentos da mesma.

Nos próximos post a Isa ira  esclarecer duvidas que surgirem e falar mais sobre a dieta para gestantes e seus benefícios.

Segue o post!!!

dieta-paleo-02

Olá meninas, hoje vim falar um pouquinho de uma dieta que conheci há pouco tempo através de uma amiga linda, a Isa. A Dieta Paleo! Claro que ainda estou lendo e conhecendo sobre a dieta, como estou gravidinha, sei que nesse período restrições alimentares não seriam ideais, mas jájá preciso mudar hábitos e cuidar da minha saúde corporal e mental, e nada como uma dieta correta e saudável para começar esse processo assim que a minha obstetra liberar.
O Que é a Dieta Paleo?
A teoria da Paleo é basicamente uma dieta de baixo carboidrato, mas não por opção, mas sim por consequência, pois naquele tempo não tinha esse tanto de massas que temos hoje, esse tanto de carboidrato que comemos hoje. Mas era uma dieta rica em gorduras, inclusive a temida gordura saturada, proteínas, carboidratos basicamente de frutas e algumas raízes que eles encontravam. A diferença entre essa e as outras dietas de baixo carboidrato é que, na Paleo, devemos excluir do cardápio – menos de 150 g por dia – grãos, laticínios, legumes e outras iguarias que nossos amigos das cavernas não comiam.
A Isa decidiu mudar por conta de outra amiga. Ela a apresentou a paleo/lowcarb, emagreceu, mudou vários aspectos na saúde dela e foi onde a Isa começou a se interessar, pesquisar. Tinha uma vida sedentária, estudava o dia todo, estava 9 kilos acima do peso e decidiu mudar. Foram-se 4 kg no primeiro mês, sem contar na disposição, saúde e tudo de bom que começou a sentir. Mas claro que ela sofreu para fazer a dieta, porém com esforço, dedicação e foco tudo fica mais fácil com o passar dos dias.
Depois de um ano a Isa emagreceu os 9 kilos tão indesejados, claro que não foi da noite para o dia, tudo depende da disciplina e energia colocada em um projeto que muda a vida.
Aos pouco vou conhecendo a dieta, é preciso ter mente aberta, ler bastante sobre o assunto se informar antes de sair falando um milhão de coisas. Mas para resumir o pouco que li e entendi da dieta posso dizer que é um estilo de vida que existe a milhões de ano e que no principio garantiu a sobrevivência dos nossos antepassados e sim, estou me preparando para tentar! Saúde sempre será o foco! Mas como qualquer outra dieta esta também não é pra todo mundo (tem gente que fica fraca, etc) e o melhor sempre é consultar um médico ou um nutricionista pra checar o que é mais adequado pra você antes de iniciar mudanças e restituições na dieta alimentar.

 

Love, J. <3

O Temido Colesterol

Em 16.05.2016   Arquivado em CLUBMAMAESFIT, DIETA PALEOLÍTICA

Exibindo Colesterol-Bom-e-Ruim.jpgExibindo Colesterol-Bom-e-Ruim.jpg

O temido colesterol.

paleolitico

Lá vem a Isadora de novo derrubar mais um mito.

E eu vou mesmo.

Até hoje você sempre pensou que o tal do colesterol era um monstrinho que tinha no meio da gordura e que quando entrava no organismo, passava para a corrente sanguínea e fazia aquele estrago, que entupia veias, que aumentava a pressão, que o LDL é o ruim e o HDL é o bom.

Então agora pode começar a pular, gritar, ficar feliz e ir ao supermercado comprar cupim, picanha, bacon e comer sem culpa.

Só não compra aquele pão com alho pra acompanhar no churrasco, tá bom? Compra queijo, ovinhos de codorna, salaminhos. Mas esse é um assunto pra outro post.

Vamos “começar do começo”.

Lembra da sua avó, quando ela cozinhava na banha do porco, comia aquela carne mergulhada na banha na lata e nunca teve colesterol alto, diabetes, hipertensão e outras doenças que dizem estar relacionadas com a gordura?

Agora se você é mais da minha idade (22) talvez sua avó já tenha sim hipertensão e diabetes, porque ela conheceu os óleos vegetais, os produtos industrializados e veio morar na cidade e parou de matar porco.

Vamos usar a lei de que “O que Deus fez não faz mal”. Certo?

Carnes de qualquer tipo, com gorduras ou sem gorduras, não fazem mal, não engordam e não aumentam o colesterol. Quebrou o mito? Mudou o paradigma enraizado ai?

Ainda não né?

Vou te contar os benefícios desse bendito, porque até hoje o coitadinho só foi taxado de monstrinho.

O colesterol é uma cera, um charmoso lipídio que agracia a membrana de cada uma de nossas células e nosso plasma sanguíneo. Seus trabalhos, que são muitos, incluem isolar neurônios, construir e manter as membranas celulares, metabolizar vitaminas solúveis em gordura, produzir bile e dar o pontapé inicial para a síntese do corpo de muitos hormônios, incluindo os hormônios sexuais. Na verdade, só coisas legais.

Só que alguém já te contou que você é produtor de colesterol e triglicerídeos? Se você já sabe, às vezes não sabe os benefícios, mas se você não sabe eu vou te contar.

O seu lindo fígado produz em média cerca de 1000 a 1400 miligramas de colesterol por dia, e geralmente na sua dieta o limite é de 300 miligramas. E sabe o que acontece quando você ingere o colesterol na dieta? O fígado tem um mecanismo de feedback à esse colesterol exógeno (que vem de fora). O que significa? Que quanto mais você ingere, menos ele produz. É como se ele pensasse assim: “Tá entrando colesterol aqui. Ops, vou produzir menos.” E vice-versa. Se você comer de menos, ele produz mais.

E onde entra a diferença dos colesteróis, HDL e LDL?

paleo

HDL são lipoproteínas (são partículas esféricas de gordura que tem proteínas solúveis em água ao seu redor, e elas transportam o colesterol) de alta densidade, que tem a função de levar o colesterol dos tecidos do corpo de volta para o fígado, e em seguida elimina o HDL através da bílis.  O HDL é o único que ajuda naturalmente a livrar o excesso de colesterol quando o corpo não precisa mais dele, por isso a sua popularidade universal. Alguns médicos se referem a ele como o caminhão de lixo da natureza.

Em seguida, existem as lipoproteínas de baixa densidade, o LDL. Também é uma lipoproteína e um entregador. O LDL tem o desonrado trabalho de levar o colesterol, após a sua produção no fígado, para os tecidos do corpo. Lembre-se, este é um trabalho importante! Este colesterol tem uma lista enorme de tarefas a fazer.

Ironicamente, verificou-se que não é a parte de colesterol da porção do LDL ou do HDL que é perigosa, mas sim a parte da lipoproteína. Infelizmente, uma vez que a medicina já tinha encontrado uma maneira de diferenciar entre a quantidade de HDL e de LDL em um exame de sangue de baixo custo, foi o colesterol que ficou na desvantagem.

A mais recente pesquisa sobre o LDL mostra que existem na verdade subcategorias neste transporte de colesterol e que algumas são mais perigosas do que as outras. Pensa-se agora que as maiores e mais revoltas partículas de LDL tem pouco ou nenhum papel significativo na doença cardíaca. Por outro lado, se acredita que as pequenas partículas densas de LDL estão mais envolvidas no processo de inflamação que dá inicio a cascata da aterosclerose. E caso você não saiba, uma dieta rica em simples carboidratos é o que prontamente promove a formação destas pequenas partículas de LDL! Infelizmente, esta distinção importante é algo que provavelmente seu médico não sabe muito a respeito, mas é o número de pequenas partículas de LDL que talvez seja a leitura mais importante em qualquer teste de colesterol. Assim, um total de colesterol de, digamos 230 ou mesmo 250 pode não ser perigoso, se seu HDL for elevado e sua pequena partícula LDL for baixa.

Antes de prosseguirmos, vamos fazer uma breve menção aos triglicerídeos. Os triglicerídeos são, essencialmente, a forma que a gordura assume à medida que viaja para os tecidos do corpo através da corrente sanguínea. A relação entre o colesterol e os triglicerídeos é mais do que uma associação. Um nível de triglicerídeos elevado, que é inequivocamente alimentado por uma dieta rica em carboidratos, é frequentemente um marcador para outros problemas no corpo, particularmente a resistência à insulina (acompanhada por risco de diabetes), bem como a inflamação (com o seu risco de doença do coração). Altos níveis são muitas vezes vistos com o colesterol HDL baixo. Mais uma vez, a dieta rica em carboidratos causa estragos.

Início do pânico pelo colesterol

A doença cardíaca decolou no início do século XX e os médicos freneticamente procuraram pela causa ao longo das décadas seguintes. Testes nos anos cinquenta inicialmente mostraram uma associação entre a morte prematura por doença cardíaca e os depósitos de gordura e lesões ao longo das paredes das artérias. Como o colesterol estava presente nesses depósitos (é claro que estaria!) e como os pesquisadores tinham previamente associado a hipercolesterolemia familiar (níveis altos de colesterol hereditário) com a doença cardíaca, eles concluíram que o colesterol deveria ser o culpado. Na verdade o que acontece é que, em resposta a uma situação inflamatória, o corpo utiliza o colesterol como um “band-aid” para cobrir temporariamente quaisquer lesões na parede arterial. Em caso da inflamação ser resolvida, o “band-aid” vai embora e a reparação ocorre. Nenhum dano, nenhuma falha. Infelizmente, na maioria dos casos a inflamação continua, a placa de colesterol é eventualmente afetada por macrófagos (células de defesa) e é oxidada a um ponto em que ocupa mais espaço na artéria, retarda o fluxo arterial e, eventualmente, pode se desprender e formar um coágulo.

A morte por doença cardíaca, de acordo com o CDC, diminuiu mais de 50% desde seu pico na década de 1950. O sucesso é atribuído a um número de fatores nas quais incluem a diminuição no hábito de fumar e o melhor diagnóstico e tratamento da pressão arterial elevada. Incluída na lista de fatores está a oportunidade da educação pública a respeito das descobertas/teorias científicas relacionadas ao colesterol. No entanto, as medições (incluindo as estimativas do CDC) de ingestão de gordura saturada no regime alimentar, mostraram que a ingestão de modo geral permaneceu a mesma ou aumentou. Mas a mensagem do colesterol dietético permaneceu.

Então, quais são os problemas com o lipídio?

Aí está a pergunta de um milhão de dólares. Primeiro, vamos voltar à questão evolutiva. Sendo um sistema natural de regulagem automática, o corpo irá reagir se não tiver o colesterol suficiente (sim, a definição de suficiência do corpo e não a da Merck). Se não há colesterol suficiente, o alarme dispara, luzes começam a piscar e o corpo entra em modo de crise. Hormônios corticoides coordenam a redistribuição de colesterol, uma espécie de triagem em que o colesterol é racionado entre as muitas áreas do corpo que precisam dele. No entanto, o corpo está agora trabalhando em condições precárias.

A quantia de colesterol adequado não está disponível para o sistema de reparo do corpo, para a captação de serotonina, para a iniciação completa de vitamina D e para a produção hormonal e sua regulação de açúcar no sangue e inflamação, etc, etc. O que a sua lógica diz aqui? Exato, nada está funcionando da maneira que deveria.

Deixe-me acrescentar também que o perfil de colesterol de todo mundo também vai ser diferente. E reconheço que uma porcentagem muito pequena de pessoas realmente possuem colesterol hereditário elevado, hipercolesterolemia familiar, uma condição metabólica com deficiência ou mesmo a falta de habilidade de metabolizar o colesterol. Esta condição pode ter graves consequências para a saúde. Falando nisso, esta condição, em sua forma heterozigota afeta no máximo 1 pessoa a cada 500. O colesterol sérico total destas pessoas está em 400mg/dL (em oposição aos 200 recomendados). A forma homozigótica afeta cerca de 1 pessoa a cada 250.000. Você provavelmente não conhece ninguém nesta categoria, porque doença dessas pessoas quase sempre acaba com suas vidas em uma idade muito jovem.

Eu menciono a hipercolesterolemia familiar porque eu quero distinguir ela das afirmações feitas por anúncios da grande indústria farmacêutica onde dizem que você pode ter colesterol alto porque as pessoas em sua família têm e – você pode acreditar – a empresa deles está aqui para ajudar. Dã! A família de todo mundo influencia no perfil de colesterol. Ele é, em sua maioria, genético. Sem grande preocupação quanto a isso. Só porque você vem de uma família com colesterol “elevado” não significa que você tem a desordem metabólica hipercolesterolemia familiar. Você pode muito bem apostar um monte de dinheiro na probabilidade de que o seu perfil de colesterol – bom ou mau – tem muito mais a ver com os comportamentos aprendidos, como dieta e exercício. O colesterol “elevado” não se iguala ao distúrbio metabólico.

O culpado era outro!

Eu já disse isso antes e eu vou dizer de novo. A pesquisa médica sólida e confiável não provou que a redução de colesterol por si só reduz o risco de morte por doença cardíaca em toda uma população. Sim, há sempre aquela único cara isolado que é a exceção, mas ele (ou ela) é uma anomalia estatística e não nega a legitimidade do modelo. Por exemplo, o povo japonês de Okinawa está entre os mais saudáveis do mundo. A sua taxa de doenças cardíacas é extremamente baixa, porém eles tendem a ter os níveis de colesterol “elevados”.

O fato é que a metade de todos que sofrem ataques cardíacos pela primeira vez têm um perfil de colesterol perfeitamente “normal”. O que isso lhe diz? Deve haver alguma peça faltando por trás da “outra metade” e, eu argumento firmemente, por trás da primeira metade também. O colesterol é uma informação falsa.

Tudo se resume à inflamação. A inflamação é o fator número um na doença cardíaca. Este é um fato aceito, porém ainda recebe pouca atenção e nenhuma prevenção ou tratamento verdadeiro. Pense nisso: você verifica os seus níveis de colesterol a cada cinco anos ou mais se o seu perfil for “problemático”. Mas e quando é que você tem biomarcadores verificando se há alguma inflamação? A menos que você já tenha tido um ataque cardíaco ou foi diagnosticado com uma doença grave, a resposta provável é nunca.

Inflamação. É causada pelo quê? Não pela gordura, mas sim pelos carboidratos. Sim, açúcares e carboidratos processados estão no topo da lista de culpados, mas grãos e amidos em geral contribuem para o problema. O LDL se eleva diretamente não pela quantidade de gordura saturada que você come, mas pelo aumento dos níveis de inflamação causado por carboidratos e gorduras trans.

Oxidação. Além disso, quase todos os estudos sugerem que o LDL se torna uma verdadeira ameaça só quando ele é oxidado. E o que oxida ele? Radicais livres. Estamos falando principalmente de gorduras trans, este mostro de aditivo encontrado em inúmeros produtos alimentares (em oposição aos alimentos). O que neutraliza os radicais livres (pois todos nós naturalmente temos alguns)? Antioxidantes: vegetais e frutas, é claro, assim como nozes, azeite de oliva (sem elevar a altas temperaturas, senão o efeito dele é contrário), etc. Considere também um suplemento multi-antioxidante de base ampla que contém os nutrientes indicados para diminuir a oxidação. Voltar para a questão da informação falsa. Substancialmente o colesterol “elevado”, HDL baixo ou LDL alto, pode ser motivo para você dar uma pausa, mas não pela razão que você imagina. O número pode lhe dizer que algo está errado, porém eles são sintomas mais de uma grande preocupação do que do próprio problema principal. O perfil de colesterol pode ser afetado por outras condições, como hipotireoidismo, diabetes não tratada ou pré-diabetes, gravidez (surpresa!), lactação, estresse, condições do fígado, doenças cardíacas (sintoma, não a causa), etc. Converse com seu médico sobre o que os seus números significam em seu esquema geral de sua saúde. Veja se você pode obter uma leitura sobre outros marcadores, como a proteína C-reativa (um indicador inflamatório) e os números dessas pequenas partículas de LDL.

 

 

Como cuidar de verdade da saúde?

A nutrição primal se encaixa bem aqui também: grandes quantidades e variedade de vegetais, frutas, carnes de boa qualidade, GORDURAS SAUDÁVEIS e proteínas.

Além disso, a abundância de ácidos graxos ômega-3, em particular o óleo de peixe, irá afinar o sangue e ajudar a prevenir a coagulação, que junto com aterosclerose, é uma configuração séria para doença cardíaca e AVC. O óleo de peixe também ajuda a baixar os triglicerídeos e aumentar o “bom” HDL.

Um beijo grande e abraço apertado! Até o próximo post.

Obrigada!!

Me sigam nas redes sociais. Lá tiro bastante dúvida.

Snap: isaffilbida

Instagran: isaffilbida.farma

Facebook: Isadora Fernandes Fílbida.

Bibliografia:

http://sendopaleo.com/

VOCÊ CONHECE O TRIGO?

Em 02.05.2016   Arquivado em DIETA PALEOLÍTICA

VOCÊ CONHECE O TRIGO?

Trigo

Respondo-te que: NÃO!

Sabe os cereais integrais, feito do trigo que termina com o sufixo “fit” que você acha que é saudável?

Haha, sabe de nada inocente.

Mas vamos falar sério agora.

Viram a referência do livro do Willian Davis – Barriga de Trigo – que eu citei no post passado? É dele mesmo que vou tirar referências.

Já ouviram falar da: “Barriguinha de chopp.”?

Então, cevada é trigo, então automaticamente sua “barriguinha de chop” é trigo (tá aí o nome do livro “Barriga de Trigo”). Você ingere pão líquido e nem sabia (é pra rir né?).

Mas não é não. Isso é mais sério do que pensamos, não só pelo fato de criar “barriguinha”. Uma “barriga de trigo” aciona a insulina, que é o hormônio responsável pela deposição de gordura, tanto na barriga, quanto no bumbum e coxas, que é resultado de anos ingerindo produtos derivados do trigo. Além disso, essa gordura acumulada na barriga, mais conhecida como “visceral” ou “central”, tem características exclusivas como, provocar processos inflamatórios, alterar as respostas insulínicas e emitir sinais metabólicos anormais para o resto do corpo, sem contar que de algum modo em potencial o trigo atinge quase todos os nossos órgãos (como o fígado, coração, glândula tireóide e os do sistema nervoso) de forma prejudicial.

O trigo se tornou um símbolo nacional de saúde, onde as indústrias alimentícias nos dizem: “Comam mais grãos integrais, é mais saudável.”; e ainda tem as versões “boas para o coração”, repletas de grãos integrais de todos os produtos que mais gostamos originados do trigo.

Mas aí vem uma dúvida: “Porque ele faz esse mal todo?”, “Porque Jesus repartiu o pão na Santa Ceia?”, “Porque todo o mundo come pães e produtos derivados do trigo?”, “Na Bíblia está escrito: Uma terra de trigo e cevada, de vinhas.”, “Na nossa oração de cada dia: O pão nosso de cada dia nos dai hoje.”.

Vamos as respostas!

Primeiro o pão que você come hoje não é do mesmo trigo da época de Jesus Cristo, não é o mesmo que sai dos nossos fornos de hoje em dia. Desde as linhagens originais de gramíneas silvestres, colhidas pelo homem primitivo, o trigo acabou desenvolvendo mais de 25 mil variedades, praticamente todas resultantes da intervenção humana.

Por volta de 8500 a.C., o trigo crescia espontaneamente em planícies abertas, onde se colhiam o antepassado do trigo moderno, o einkorn (espécie: Triticum monococcum.), e foi onde se assinalou o início da agricultura.

Após 10 mil anos quando o trigo ganhou lugar na mesa dos seres humanos, que começou como o trigo einkorn, passou à espécie conhecida como emmer, seguida pela espécie cultivada Triticum aestivum, o trigo mudou muito pouco, sofrendo apenas alterações pequenas e irregulares. O trigo do século XVII era igual ao trigo do século XVIII, que por sua vez era praticamente o mesmo trigo do século XIX e da primeira metade do século XX. Tentativas rudimentares de cruzar as variedades do trigo, pelo método de tentativa e erro, geravam modificações cumulativas ano após ano, algumas bem-sucedidas, a maioria não.

Durante o século XIX e no inicio do XX, assim como nos séculos anteriores, o trigo teve mais algumas mudanças. A farinha que sua avó usava na década de 1940, não era muito diferente da que a sua bisavó usava sessenta anos antes e nem tão diferente das que usavam há 200 anos antes. No século XX, a moagem do trigo tinha se tornado mais mecanizada e era realizada em maior escala, produzindo uma farinha mais fina, cuja composição básica, porém, praticamente não se alterava.

Tudo isso acabou a partir da segunda metade do século XX, quando uma revolução nos métodos de hibridização transformou esse cereal. O que hoje tomamos por trigo não é a mesma coisa, o trigo mudou, mais não por meio de forças naturais, como secas ou doenças, em uma luta darwiniana pela sobrevivência, e sim por meio da intervenção humana. Como resultado, o trigo sofreu uma transformação mais drástica, transformando-se em algo totalmente singular, quase irreconhecível, e ainda assim, atendendo pelo mesmo nome: trigo.

A produção do trigo comercial moderno concentrou-se em atender a determinadas características, como o aumento da produção em larga escala de uma mercadoria financeiramente estável. Durante todo esse tempo, praticamente ninguém se perguntou se essas propriedades eram compatíveis com a saúde humana.

Resultado: um pão, um biscoito ou uma panqueca de hoje são diferentes de seus equivalentes de mil anos atrás, diferente até mesmo daqueles que nossas avós faziam. Talvez até tenham a mesma aparência, o mesmo sabor, mas são diferentes bioquimicamente. Pequenas mudanças na estrutura das proteínas do trigo podem significar a diferença entre uma resposta imunológica devastadora a essas proteínas e absolutamente nenhuma resposta.

O trigo ele se adapta facilmente a várias condições ambientais, então a sua produção é bem facilitada.

Agora aos conhecedores de genética, vou explicar a mudança dos cromossomos do trigo. Ou mesmo quem não entende muito, vai dar pra entender kkkk.

O primeiro trigo silvestre, mais tarde cultivado, foi o einkorn, o tataravô de todas as variedades subsequentes. Entre todos os trigos, o einkorn, com apenas 14 cromossomos, tem o código genético mais simples. Por volta de 33oo a.C., o einkorn, resistente e tolerante ao frio, era um cereal popular na Europa.

Pouco depois dos primeiros cultivos do trigo einkorn, a variedade emmer do cereal, cruzamento natural do einkorn, com uma gramínea silvestre parente distante do trigo, a Aegilops speltoides, surgiu no Oriente Médio. O código genético dessa gramínea foi acrescentado ao do einkorn e o resultado foi o trigo emmer, mais complexo, com 28 cromossomos. Plantas como o trigo têm a capacidade de preservar a soma dos genes de seus antepassados.

Vamos fazer uma comparação aqui pra ficar fácil de entender.

Pense se um casal tiver um filho e em vez de chegar a um total de 46 cromossomos (23 do pai e 23 da mãe), eles se somassem totalizando 92 cromossomos no filho? É só pensar nas deficiências que existem por mudanças genéticas, tanto com falta de cromossomos quanto por exceção deles.

Em algum momento dos milênios antecedentes aos tempos bíblicos, o trigo emmer (Triticum turgidum), que tem 28 cromossomos, cruzou naturalmente com outra gramínea, a espécie Triticum tauschii, gerando o Triticum aestivum ancestral, com 42 cromossomos, geneticamente o mais semelhante ao que atualmente chamamos de trigo. Como contém 42 cromossomos, o conteúdo cromossômico total de três plantas diferentes, ele é o mais complexo em termos genéticos. É, portanto, o mais “maleável” do ponto de vista genético, o que será útil aos geneticistas nos milênios seguintes.

Com o tempo, a espécie Triticum aestivum, que tem maior produtividade e é a mais adequada à panificação, foi aos poucos tomando o lugar de seus antepassados, o trigo einkorn e o emmer.

Atualmente o einkorn, o emmer e as linhagens originais de Triticum aestivum, silvestres e cultivadas, foram substituídos por milhares de descendentes modernos, criados pelo ser humano, tanto de Triticum aestivum como de Triticum durum (usado para fazer macarrão) e de Triticum compactum (usado na produção de farinhas finíssimas utilizadas para fazer cupcakes e outros produtos). Para encontrar hoje einkorn ou emmer, você precisaria procurar coleções limitadas de grãos silvestres ou modestas plantações dispersas pelo Oriente Médio, sul da França e norte da Itália. Graças às hibridações modernas projetadas pelos seres humanos, as espécies atuais de Triticum estão a centenas, talvez milhares de genes de distância do trigo einkorn original, de ocorrência espontânea.

O trigo Triticum de hoje é produto de cruzamentos destinados a gerar plantas mais produtivas e com determinadas características, como a resistência a doenças, à seca e ao calor. Na realidade, o trigo foi tão modificado pelo ser humano que as linhagens modernas não conseguem sobreviver sozinhas na natureza, necessitando de cuidados como a fertilização com nitratos e os defensivos agrícolas.

Com todas essas mudanças, foram surgindo novas proteínas do glutén, essas mesmas que não estavam presentes nas outras linhagens que prejudicam a nossa saúde tanto quanto as mudanças genéticas do trigo.

Sei que o assunto é um pouco chato e cansativo, mas é muito sério. E olha que não coloquei nem ¼ do que o livro nos mostra.

Tenho uma ótima notícia pra quem não tem dinheiro pra comprar o livro. Sei que a crise ta feia pra todo mundo né, então vai lá o link do livro em PDF.

http://lelivros.online/book/baixar-livro-barriga-de-trigo-william-davis-em-pdf-epub-e-mobi/

Não deixem de ler. Vocês vão se surpreender com o que essa maldita gramínea pode causar no nosso organismo. Lá no final ainda tem algumas receitinhas bastante gostosas.

Um beijo grande e abraço apertado! Até o próximo post.

Obrigada!!

Me sigam nas redes sociais. Lá tiro bastante dúvida.

Snap: isaffilbida

Instagran: isaffilbida.farma

Facebook: Isadora Fernandes Fílbida.

Dieta Paleo

Em 15.04.2016   Arquivado em DIETA PALEOLÍTICA

dieta-paleo-03

Dieta dos nossos ancestrais (Dieta Paleolítica)

Antes de iniciarmos uma introdução ao que se refere à dieta paleolítica, quero deixar claro que todo o conteúdo aqui escrito foi tirado de artigos científicos, blogs baseados em artigos (links no final do post), e que existem resultados comprovados por milhares de pessoas no mundo que seguem essa “dieta”, como é chamada por médicos e nutricionistas, mas nós que a seguimos, nos referimos a um estilo de vida, que basicamente é viver de forma saudável, comendo comida de verdade.

O primeiro blog que comecei a ler foi o “SendoPaleo.com” do Coach Teco Mendes, onde o tema principal é “Pare de Gostar do que te faz Mal e Emagreça Sendo Paleo”. Após ler esse blog, comprei dois livros que são “Barriga de Trigo”, onde explica tudo sobre o trigo, suas variedades, suas transformações genéticas e no final ainda tem algumas receitinhas, e “Porque engordamos”, que aborda sobre nosso estilo de vida e mostra onde está o motivo pelo qual engordamos. Dentro do blog do Teco conheci a Dany Castro, mais conhecida como Dany Betty Boop (também vou colocar o blog dela aqui). Os dois são coachs da Paleo, e aprendi MUITO com ela também, e até hoje aprendo.

A base dela é que nossos ancestrais evoluíram por milhares de anos se alimentando de caça, vegetais e frutas da época que eles podiam colher. E sempre se mantendo com ótima agilidade, disposição e energia, caso contrário virariam caça em vez de caçadores. Então automaticamente todos naquela época eram magros, fortes e bem ágeis, e querendo ou não, os nossos genes são idênticos aos dos nossos ancestrais, então sendo assim, fomos evoluídos para seguir o mesmo padrão alimentar que eles.

A teoria da Paleo é basicamente uma dieta de baixo carboidrato, mas não por opção, mas sim por consequência, pois naquele tempo não tinha esse tanto de massas que temos hoje, esse tanto de carboidrato que comemos hoje. Mas era uma dieta rica em gorduras, inclusive a temida gordura saturada, proteínas, carboidratos basicamente de frutas e algumas raízes que eles encontravam. A diferença entre essa e as outras dietas de baixo carboidrato é que, na Paleo, devemos excluir do cardápio –  menos de 150 g por dia – grãos, laticínios, legumes e outras iguarias que nossos amigos das cavernas não comiam.

O tema “Parar de Gostar do que te faz mal e emagreça sendo paleo” significa que temos que quebrar alguns paradigmas em relação aos produtos industrializados, aqueles que a indústria alimentícia “enfia” na nossa cabeça que é cheio de vitamina, disso e daquilo que faz bem ao nosso corpo.

Vou colocar um trecho do blog do Coach Teco Mendes de uma introduçãozinha sobre a Paleo:

“Mas sem grãos?

O nosso feijão com arroz?

E os integrais?

E a gordura saturada, como bacon, faz bem?

E aqueles atletas saudáveis que evitam a gordura e se alimentam de comida integral?

Vamos às respostas:

Conforme preconizado pelos autores da dieta Paleo, e até com suporte de vários estudos científicos, os grãos possuem antinutrientes que fazem mal ao organismo não adaptado do homem, causando inflamações que algumas vezes são visíveis e claras, como no caso de doenças celíacas, e outras que dificilmente ligamos à nossa alimentação, como artrite e alergias de pele.

Já a gordura saturada, por sua vez, em recentes e diversos estudos ficou comprovado que é uma gordura que devemos consumir e que não há relação com doenças cardíacas ou qualquer outro problema de saúde. Muito pelo contrário. A história de como esse pavor de bacon começou é muito interessante e merece até um capítulo especial.

Outras premissas da Paleo nos mostram que muitos dos nossos conceitos sobre alimentação precisam ser revistos: Comer de 3 em 3 horas? Não. Comer uma ou duas vezes por dia. Ou não comer.

Jejum intermitente é parte de como evoluímos. Na Dieta Paleo, come-se quando se tem fome. – Quantos litros de água devo beber por dia? Beber quando se tem sede. E pronto.

E agora você está aí, relendo esta página, olhando desconfiado… A Dieta Paleo é um assunto muito interessante e que deve ser estudado com a mente aberta e tolerância a novos conceitos. E se tudo que nos foi colocado até agora sobre alimentação estiver mesmo errado? Intrigado? Bem-vindo à Paleo.”

Então, esse trecho é onde todos os nossos conceitos sobre nossa alimentação começam a embaraçar na nossa cabeça e você começa a pensar: “Meu Deus, como assim?”.

É aí, que como o Teco diz, quem tem a mente aberta vai pesquisar, estudar, mas quem tem a mente pequena, vai ler e falar: “Que nada, tá doido? Quem te falou isso? Porque nutricionistas dizem que integral faz bem? Que gordura entope veia? Que o nosso arroz e feijão tem os aminoácidos necessários para o nosso organismo?”.

Então vamos lá.

É impossível eu explicar, em um post TUDO relacionado a paleo. Mas vou deixar tudo de referência que já li pra vocês no final do post.

Ai vem algumas perguntas que muitas pessoas me fazem. Como você decidiu mudar? Porque optou por esse estilo de vida? Você sofre por fazer uma dieta restritiva? Você tem problemas sociais por seguir uma dieta tão diferente? Você come bacon e não engorda? O que você come? Qual sua nutricionista?

Então vamos as respostas:

Decidi a mudar por conta de uma amiga. Ela me apresentou a paleo/lowcarb, emagreceu, mudou vários aspectos na saúde dela e foi onde comecei a me interessar, a pesquisar. Logo depois um amigo começou a seguir esse estilo (o Tharlley – vou colocar o resultado dele aqui). Gente do céu, ele tomava mais de 1 litro de coca por dia, comia salgado frito, assado, tudo que fazia mal e engordava. Ele emagreceu 18 kg (podem assustar), e 7 kg desses 18, foi em UM MÊS. SIM!! E eu naquela vida de sedentarismo, estudando dia inteiro, comendo um cardápio diferente de jantar gordo por dia, com 9kg acima do peso, decidi a mudar também. Foram-se 4 kg no primeiro mês, sem contar na disposição, saúde e tudo de bom que eu comecei a sentir, que como eu falo, só experimentando pra saber. E pronto! Mas… vou contar, pq a vida não é só um mar de rosas né? Como todo mundo, eu também sofri pra fazer essa dieta. Isso porque a dois anos atrás, antes de inicia-la e fazia a famosa Dieta Frango, Ovo e Batata Doce. Mas fui firme e consegui, firme e forte. Já escorreguei demais, mas agora criei vergonha na minha cara kkkk.

Agora, como eu optei pela paleo, foi pelo fato de ter a mente aberta, como eu já havia dito. Mas li bastante, fiz comparações de estudos, liguei uma coisa na outra e o Teco e a Dany sempre tiravam muitas das minhas dúvidas. Mas o que me ajudou também foi a minha formação (sou farmacêutica), onde tive matérias que estudavam o nosso metabolismo, então foi onde TUDO se encaixava. Sem contar que depois que fui vendo os benefícios não queria mais optar pelo que me fazia mal.

Ah, e eu não sofro por fazer uma dieta restritiva, pq não acho que ela seja. GENTE, eu como BACON (e não engordo), tem coisa melhor que isso? Doces? Você vai aprendendo com o tempo que aquilo só é uma orgia gastronômica que alimenta o seu cérebro, porque o nosso corpo não precisa.

E em relação ao que comer. PENSE! Coma comida de verdade. Pronto! Não tem segredo. Mas a partir do momento que você vai estudando, vai vendo que você está mais no paraíso do que imaginava.

LEIA ATENTAMENTE, vou contar um segredo bem baixinho: você pode comer chocolate e creme de leitchy.

Mas quando forem contar esse segredo, digam que é para entenderem o motivo depois de ter estudado muito em!?

E não me critiquem, mas não tem nutricionista. Tenho internet, pesquiso e estudo muito. Eu agradeço a Deus por ter uma coach (mesmo que seja virtual) que é a Dany. Amor maior de pessoa eu não vi ainda gente. Ela sempre tira minhas dúvidas, conversa por direct e whats comigo. Mas eu já avisei que em pouco tempo estaremos mais juntas ainda. Eu VOU ser uma COACHEE dela, que inclusive, ela me ajudou abordar assuntos nesse post.

Outro tipo de pergunta que sempre recebo, é sobre treinos. Mas esse é um assunto bastante complexo, então não vou abordar nada específico. Mas se formos comparar aos nossos ancestrais, o “treino” deles era tipo o nosso HIT de hoje, porque eles tinham que correr em uma velocidade alta, por pouco tempo atrás das presas, e quando capturavam, jogavam nas costas, erguiam aquele peso e carregava para sua caverna para comerem. É basicamente isso.

Mas agora vamos para os resultados:

Essa sou eu. Tenho 1,59 e meio de altura kkk arrendonda pra 1,60 vai… Então, se for pensar que eu tinha 62 kg com essa altura, eu era uma pré obsesa kkk agora estou com 53 kg. Isso foi em aproximadamente em 1 ano. Então aceitem que os resultados são demorados, não caiam em milagres.

dieta-paleo

 

Esse é o Tharlley. Ele tem 1,77 de altura, pesava 86 kg e agora está com 67 kg, e lá se foram 19 kg, sem contar na saúde. E vale lembrar que ele conseguiu eliminar tudo isso sem atividade física em aproximadamente 1 ano.

dieta-paleo-homem

 

Ficaram confusos né? Então vou colocar aqui algumas referências pra vocês.

Obrigada!!

http://sendopaleo.com/

http://www.queriaserabettyboop.com.br/

http://www.lowcarb-paleo.com.br/

http://primalbrasil.com.br/

http://www.paleodiario.com/

http://desabafosdeumapaleolitica.blogspot.com.br/

http://diaadialowcarb.com.br/

http://www.dietalowcarb.org/

http://dietaatkinsbrasil.blogspot.com.br/

http://farmacotrofia.blogspot.com.br/

http://www.lipidofobia.blogspot.com.br/

https://maisgorduramenoscarboidratos.com/

Livro: Barriga de Trigo: Livre-se do Trigo, Livre-se dos Quilos a Mais e Descubra Seu Caminho de Volta para a Saúde – William Davis

Livro: Por Que Engordamos e o Que Fazer Para Evitar – Gary Taubes

 

Por Isadora <3

Página 2 de 212

Sejam bem vindos! Dispensar