A Realidade da Maternidade

Em 24.09.2016   Arquivado em CONFISSÕES MATERNAS, MATERNIDADE

INCRI8Olá lindas do meu coração, já tem um tempo que não consigo escrever aqui no blog, quem me acompanha pelas redes sociais sabe da minha correria. Mas hoje eu vim conversar um pouco, até pensei em trazer alguma informação das que vocês sempre pedem, mas sei o quanto vocês são antenadas e estão por dentro dos assuntos maternos mais importantes disponíveis na internet. Resolvi falar um pouco de vida real, de viver a maternidade e de me desabafar também.

Desde segunda-feira estou sozinha com os meninos e confesso que no final da segunda-feira eu pensei que iria enlouquecer, dormi determinada a mudar todos os acontecimentos, não sou de me entregar, não acredito no impossível e sei que com Deus no controle das nossas vidas existem soluções para todas as situações. Muitas de vocês deixaram recadinhos me motivando e apoiando e contando historias parecidas com a minha… pensei: Se elas conseguiram eu também vou conseguir. E sou grata a cada uma que me mandou um beijo, abraço e disse que não era esse bicho de sete cabeças que eu imaginava.

Terça-feira minha sogra ficou um pouco comigo e eu consegui me organizar melhor, na quarta eu já havia conseguido colocar horário nas sonecas dos pequenos e na quinta, acreditem: O dia foi muito tranquilo, dormimos bem, comemos e parecia tudo perfeito rs. Mas como a vida real não é nenhuma periguete rsrs, ontem o Davi deu uma crise de ciumes, chorou o dia todo, fiquei inconsolada. Hoje ele acordou do mesmo jeito, pediu a vô e eu deixei ele na parte da manha na casa da minha sogra, meu sobrinho estava la e o Davi adora brincar com ele. Agora estão todos dormindo.

Mas o que quero contando um pouco da minha semana? Quero deixar claro que dias difíceis existem e que eles são muito intensos, mas que dias bons também chegam e que nessa vida de mãe que vivemos é preciso viver um dia de cada vez e não sofrer com o dia de amanhã. Outro ponto muito importante na maternidade é não se entregar e confiar em Deus, vejo tantas mulheres deprimidas, exaustas que se entregaram porque não acreditavam na mudança, porque não sabiam que nesse mesmo barco existiam inúmeras mulheres que viviam entre naufrágio e calmaria. Que deixaram a vida passar ao ver o filho fazer birra e não saber resolver a situação. Mulheres guerreiras mas solitárias que esqueceram de pedir ajudar por achar que conseguiriam sozinhas.

Hoje eu quero pedir ajuda, ajuda para outras mães, seja solidaria ao medo das outras, conte suas historias, convide para ir ate a pracinha. Indique um livro, chame para beber um vinho e ajude a correr atras das crianças. Mostre a maternidade real, conte que seu filho também fica algumas noites sem dormir, mas que ele dorme também. Conte que você já deu doce, refri e deixou ele correr descalço. Conte que a vida é de verdade e que a maioria das mães virtuais perfeitas não existem e são idealizadas por gente sem noção. Conte que criança cai e levanta, que criança faz birra, que criança da febre, que criança é gente como a gente, mas é pequenina e precisa de carinho e calma.

Ensine as mães cansadas de amamentar a noite inteira a dar uma mamadeira para descansar um pouco e conseguir cuidar com mais carinho do bebê no dia seguinte, explique que amamentar é Divino, mas que Deus deu sabedoria aos homens para ajudar nos momentos complicados.

Enfim, que eu e você possamos ajudar outras mulheres a serem mais leves, a acreditarem que amanhã vamos rir de tudo e que todas nós ou já passamos ou ainda iremos passar por momentos de estresse e que é preciso muita fé e simplicidade para continuar.

Adoro conversar com vocês, quero muito ajudar outras mães que são reais, assim como eu sou. Se tiverem alguma sugestão deixem nos comentários que vou ter o maior prazer de responder. Aproveitem para me seguir no instagram, lá é o lugar onde consigo deixar pelo menos um oi todo dia e vamos conseguir conversar melhor por lá.

Um abraço e muito obrigada por estarem sempre comigo, me acompanhando e desejando coisas boas para minha família.

Beijo no coração <3

Love, J. <3

créditos: imagem via The Bump

O SEGUNDO FILHO – A MATERNIDADE

Em 07.06.2016   Arquivado em CONFISSÕES MATERNAS, MATERNIDADE

O SEGUNDO FILHO

Imagem: Internet

Imagem: Internet

Eu deveria escrever esse post depois do nascimento do Mateus, mas acredito que minha visão como mãe de filho único esperando o segundo filho é um assunto muito pertinente e vejo muitas mães vivendo esse momento.

Sempre fui muito menina, as pessoas que me conhecem ou seguem as minhas redes socias já sabem muito bem disso! Mas chega uma hora que é preciso deixar os laços e se vestir de mulher, executar o papel ao qual foi destinada. Não digo que a missão de toda mulher é ser mãe, mas em algum momento eu disse! Hoje já li e ouvi experiências de mulheres brilhantes que fizeram suas escolhas e me convenceram a respeitar esse tipo de decisão.  Ao longo desses quase três anos na lida de ser mãe entendi que se a mulher não tiver um desejo forte por este estado emocional, provavelmente a loucura e o desespero de ter um filho e do que fazer depois da chegada do bebê, torne a maternidade um monstro de um milhão de cabeças. No fundo a gente só não pira porque foi uma escolha unicamente nossa.

Não planejei meus filhos, mas também não evitei! Eu queria e quero muito ter eles comigo. Espero ansiosa pelo Mateus e tenho vivido os melhores dias da minha vida ao lado do Davi! A ternura de uma criança muda à trajetória de uma mulher, e acredite: Nunca estaremos prontas, nunca iremos de fato saber o que é ser mãe, até ser!

Você lê um monte de livros, artigos, depoimentos de outras mães. Eu fiz isso e faço muito até hoje, vivo de blog em blog materno e consigo te indicar uns ótimos, que me ajudaram muito! No entanto, não existe uma formula ou receita de como ser mãe, um manual de instruções dizendo: COMO MONTAR UMA MÃE IDEAL! Se você ainda não é mãe e esta um pouco assustada com a introdução, relaxe, a maternidade é tão deliciosa que eu teria mais uns três filhos, porém meu marido já cortou meu barato e disse que vai operar antes que eu encha a casa de crianças!

Como não tenho o modelo formal de como ser mãe quero dividir com você o que tenho vivido e aprendido desde a primeira gestação.

Quero começar dizendo que minhas gestações, assim como inúmeras, estão sendo totalmente diferente uma da outra e meu único receio até o momento é de como será o parto e a recuperação.

Segundo, preciso reforçar que em nenhum momento planejei o segundo filho, mas que o mês que engravidei foram dias de muita correria e acabei não evitando, aconteceu e eu sou extremamente feliz por esse acontecimento em nossas vidas!

Quem segue o blog sabe do meu amor pela maternidade e hoje eu tenho absoluta certeza que nasci para ser mãe. Tudo que faltava para me fazer um ser humano melhor e mais consciente chegou juntinho com o Davi, hoje eu vejo o mundo com outros olhos e por outro ângulo. Sou mais tolerante, calma, centrada, decidida, destemida e minha fé triplicou. Não tenho medo de tirar sangue, aprendi a dirigir, consigo cuidar de muitas coisas ao mesmo tempo e isso me trás uma confiança que eu não tinha tempos atrás. Claro que com todas essas mudanças estruturais de mim mesma, trouxeram novos planos e meus horizontes são outros.

A parte difícil existe e não é muito diferente da de outras mães, só tento não pirar! Mas vira e volta eu piro e piro muito!

Às vezes, acordo e olho para o lado e lá está o Davi Luiggi dormindo, um soninho tão bom, tão sereno. Na minha cabeça passa um filme, os dias são longos, mas não consigo organizar tudo. Também não me preocupo com tudo rs. Sou o ser humano mais light do mundo, já dormi sem tomar banho, sem lavar louça do almoço e da janta, sem jantar e não morri por isso, então casa é a minha ultima preocupação. Se der arrumo, se não, fica para o próximo dia! E a vida segue. Cada dia uma novidade. Meu filho é uma criança normal, precisa ficar de olho o tempo todo, eu sinto falta do trabalho, no entanto, sinto vontade de não voltar a trabalhar nunca, só para ficar com eles, assisto Peppa, Dora, Patrulha Canina e companhia limitada o dia todo. Enfim, a vida é normal por aqui e somos felizes!

Li que no segundo filho a gente já está preparada e ainda não sabe, tenho me agarrado a isso e nada de medo de não conseguir, essa semana uma seguidora deixou um depoimento no instagram dizendo que o segundo filho dela, nasceu quando o primeiro tinha um ano e um mês, que no inicio foi complicado e era muito corrido, mas que agora que já passou um tempo, ela chegou à conclusão que foi a melhor coisa que aconteceu.

O que realmente quero dizer é que, ser mãe não é todo esse espetáculo de horrores que muitas descrevem. Imaginem, minhas avós tiveram sete filhos cada e na época delas não havia toda a estrutura que temos hoje, as fraldas eram de pano e minha avó materna conta que colocava todas para quarar, que lavava na beira do rio. Se fosse hoje eu jogaria rio abaixo, imaginem vocês lavando uma fralda com aquele cocô amarelo que gruda no pano e não sai nunca. Não é difícil, só é tudo muito novo e muitas informações para serem absorvidas em um curto espaço de tempo.

Meu pensamento para as mamães que, assim como eu, estão esperando o próximo bebê é: Vamos viver a melhor experiência das nossas vidas novamente, vai ser trabalhoso, talvez, doloroso. Mas acredite: A vida está nos entregando pela segunda vez uma joia que não se pode mensurar o preço, o valor excede a todos os números existentes e essa é a única conclusão para finalizar tudo que já escrevi e tenho sentido até aqui!

 

Love, J. <3

Dica para uma família saudável e cheia de vida

Em 14.04.2016   Arquivado em MATERNIDADE, RELACIONAMENTO
Pai

Fonte: Imagem Internet

Olá

Eu acredito fielmente que os filhos são um presente de Deus para abençoar cada dia mais a união. Claro que hoje vivemos tempos difíceis e o amor vem se esfriando e as famílias estão enfrentando uma luta travada entre o que o mundo prega e a realidade que sustenta um relacionamento saudável.  Tudo se tornou muito permissivo, marido e mulher não se respeitam, não se ajudam, constroem um lar em cima de suas próprias vontades e crenças e esquecem a preciosidade de olhar para Deus e perguntar como deve ser construída uma instituição saudável e cheia de vida.

Lembro-me de ouvir um grande amigo que não acredita em casamento e afirmava sempre: “- O casamento é uma instituição falida.” Claro que eu nunca acreditei, ainda acredito nos contos de fadas, melhor crer no inusitado e que tudo pode ser melhor do que olhar com tanto realismo para nossa sociedade.

Família! É um assunto importante, deve-se ser observado cada detalhe que preenche um lar. Ficamos tão atentos com os pequenos que esquecemos os maridos. Sabemos cobrar a responsabilidade de pai e todas as obrigações, mas esquecemos de que os papais nunca brincaram de boneca, nunca trocaram fraldas nem de mentirinha, que eles nunca brincaram de casinha, que nunca ganharam um bebê de presente de natal, uma banheira super pequena de presente de aniversario ou uma cozinha linda toda rosa no dia das crianças. Eles tiveram educações diferentes das nossas, brincavam de carrinho, futebol, bicicleta. Ficavam horas e horas nos joguinhos de vídeo game. Não foram treinados em momento algum para serem pai.

Então, peço paciência. Se você já tem, quero pedir mais um pouco.

Todo dia olhe para seu esposo como alguém que precisa de ajuda para nova função, existem uns mais dedicados que outros, no entanto, para os que não têm nada de dedicação, paciência. Eles irão aprender na medida em que você souber expressar seus anseios e necessidades como mãe sem  magoar, só eu sei o quanto é complicado.

Não desista.

Seus filhos precisam de uma estrutura firme e forte que os tragam segurança. Sei da dificuldade de aceitar um conselho desses nessa altura do campeonato (filho chorando, casa bagunçada, comida pra fazer, você descabelada e um marido quase inútil), mas acredite, pode ficar bem pior se você não respirar um pouco, agir com a razão, totalmente sensata, com muita sabedoria. Homens foram criados para assistir o futebol depois do serviço, beber uma gelada com os amigos no final de semana, dormir quando estiver cansado, fugir quando não souber o que fazer. Você precisa reprograma-lo.

Vou deixar algumas dicas que acho que são válidas e que fazem diferença.

– Estabeleça tarefas.

– Crie uma rotina para o esposo depois do horário de serviço.

  • Dar banho no bebê três vezes por semana.
  • Sair para passear na pracinha com bebê em dias alternados.
  • Lavar a louça da janta todos os dias.

– Cobre o cumprimento das tarefas com educação e cautela.

Durante o tempo que ele faz as tarefas você pode aproveitar para tomar banho e se cuidar um pouquinho. Coloque uma roupa legal, passe um perfume, faça um carinho no marido, ele deve estar mais carente do que você imagina.

E claro, tenho certeza que ser pai e cuidar dos filhos e ajudar nas tarefas de casa sejam obrigações do companheiro, mas eles precisam sentir isso. Impor esse serviço a eles não irá solucionar nossos contratempos em momento algum. Precisamos entender a dinâmica do outro, o tempo do outro. Ser mãe é natural, a mulher desde o principio do mundo foi criada para ser “ajudadora do homem” e para multiplicar a espécie. É da nossa natureza. Ser Pai é um processo, fique atenta para não perder o homem que você disse sim! Acredite no dinamismo de Deus, que confiou na mulher para cuidar e ajudar o homem. Seremos sempre a parte mais frágil e forte ao mesmo tempo, mais doce, mais sensata, mais pura e energética do casamento. E por mais árduo que seja não fuja desse chamado! Ser mãe, profissional, amiga, mulher e esposa resume um contexto de amor!

 

Love, J. <3

Cesariana: Cola ou costura?

Em 18.03.2016   Arquivado em MATERNIDADE

Cola ou costura?

Fonte: Google Imagens

Fonte: Imagem da net

Uma pergunta que me deixou confusa!  Na ultima consulta com minha obstetra, antes do Davi Luiggi nascer, ela virou para mim e perguntou: Jack o seu é cola né? Nossa fiquei com uma cara de paisagem e sem imaginar o que ela estava falando, porque durante minha gravidez eu li sobre tudo, mas sobre o parto mesmo eu nunca havia parado para ler nada. Logo ela percebeu meu desespero e explicou que era sobre a cesariana, que tinha duas opções, mas que o plano não cobria a cola e ela estava me perguntando por que eu precisava pagar a diferença quinze dias antes do parto. Vou abrir um parêntese para explicar a diferença entre as duas opções para você mamãe que logo vai receber seu beber e não quer incômodos, ok? Depois termino a minha historia rs. – A cola é uma cola mesmooo rs, mas é um material cirúrgico, um selante dos tecidos e só é contra indicada em pacientes obesas, porque corre o risco de abrir. O acabamento da cola é uma cicatriz fina e quase imperceptível, não precisa fazer curativos, só lavar com bastante sabão e voilà! Os pontos já são conhecidos por muitas mamães, só é incomodo porque tem que ficar fazendo curativos, a cicatriz vai muito de mulher para mulher. Tem mulher que prefere os pontos porque acham mais seguro. – Conclusão, queria a cola, porque sou a mais medrosa de todas e só de imaginar eu cortada e ainda ter que ficar fazendo curativo aiaiaia. Foi uma correria, o dinheiro não estava orçado, estávamos no final da reforma da casa, um monte de coisas para comprar, as coisas do quartinho para pagar, mas o que não tem remédio, remediado está! Pagamos a cola! Davi nasceu 12 dias depois daquela ultima consulta! Minha recuperação foi ótima, não senti dor, cólica ou gases. Tudo indo suuuuper bem até a louca aqui resolver viajar 500km de carro com 24 dias de operadaaa. Davi era um montinho de gente, a viajem foi tranquila. Minha cirurgia estava ótima e a minha ansiedade companheira rs que queria que as “casquinhas” caíssem logo e cicatrizasse logo e melhorasse logo e acabasse o repouso logo, acabou me prejudicando L porque  minha obstetra disse: use bastante sabão para lavar e tudo certinho.  Usei um óleo p cicatrizar a base de girassol e descobri da pior maneira que eu tinha alergia de óleo de girassol, resultado meu corte encheu de bolhas e ficou muito vermelho, coçava muito e foi horrível… Passou, ufa! Minha cicatriz ficou ‘legal’ se não fosse o girassol teria ficado perfeita.

O que eu quis dizer com toda essa história? Que tem um monte de detalhes que só ficamos sabendo na véspera de acontecer. Então toda atenção é pouca, conversem com outras mães, perguntem de tudo, seus medos, suas duvidas e não tenha vergonha toda mãe já passou por algum perrengue porque não perguntou antes.  O que não vale é ficar insegura por não saber o que fazer, mesmo que tire suas duvidas outras vão surgir e vai ser assim depois que o bebê nascer e enquanto estiver crescendo.

A dica é: CONVERSE COM OUTRAS MAMÃES!

Bju bju bju… Jack

O PRESENTE POR SER MÃE!

Em 16.03.2016   Arquivado em CONFISSÕES MATERNAS, MATERNIDADE
14099328_178408215923007_710647178_n

Foto: The Bumb

Você acorda esposa, profissional, dona de casa, filha, amiga e uma noticia no meio do dia te faz dormir MÃE. Todas as expectativas mudam, o norte muda, os horizontes mudam, a vida muda, as cobranças mudam.

De inicio você já precisa responder a um monte de perguntas: Qual sexo? Você tem preferência por menino ou menina? E os nomes? Já pensou nos nomes? E quando nascer irá ficar com quem? Será que vai ter o olho azul, castanho, preto…? E o quartinho? Você está enjoando? Qual tipo do seu sangue? E as vacinas, estão em dias? Você quer parto normal ou Cesária?…

E cada pergunta te deixa mais aflita, como se você tivesse as respostas, como se desde agora você tivesse a obrigação de saber tudo! Mas NÃO, mãe não tem que saber tudo, o tempo e as experiências se encarregaram de ensinar o essencial, o restante é extinto é raça é coisa de mãe, de sentir, química materna na veia que te traz sensações que vão de 0 a mil em um segundo, mas garanto que são os melhores momentos da sua vida!!!

Mas tudo isso é só o começo, você terá em suas mãos sua própria vida, um coração que gerou dentro de você, um serzinho tão pequeno e indefeso que a única coisa que você pode fazer é amar, amar e amar.

Primeiro você irá aprender mais do que ensinar, cada sorriso, cada gracinha! Você verá a simplicidade da vida nesses gestos, que para ser feliz você precisa de tão pouco e não sabia dessa quantia antes.

Os primeiros dentinhos, os primeiros passos, as primeiras birras, o desenho favorito. Aquela pecinha de roupa que você vai guardar para sempre junto com o desejo de que o cheirinho também pudesse ser guardado, não existe cheiro melhor no mundo do que cheiro de filho, cheira amor+vida+ternura+fofura+amor+bebê+um pedacinho e por esses motivos ser mãe vai se tornando mágico e intenso de mais. Você mergulha em um oceano, pisa em uma terra encantada. Claro que essa terra tem um monte de monstros, perigos, medos… Nossa!!! Tantos medos! Você pode ser a mulher mais forte do mundo, a mais corajosa, aquela que não teme nem a morte, mas o dia que seus filhos nascerem você vai correr da morte, irá desejar viver para sempre para poder protegê-lo dos perigos, para poder segura a mãozinha dele, dar colo, conselho, abraço, beijo, cafune, buscar na escola, buscar na balada. Você temera a morte como seu maior medo e não será por medo de perder sua vida, mas a oportunidade de viver a vida do seu filhote. E você pedirá a Deus: – me faça imortal!

Seu filho cresce, vem escola, infância, adolescência, faculdade, os namoros, o noivado, o casamento, os netos, não necessariamente nessa sequencia. E você está onde começou outra vez, sem a cria perto, sem o melhor cheiro do mundo, o melhor sorriso, mas você tem uma certeza, forte e única: – sou mãe! E você finalmente recebe uma resposta de Deus sobre seu pedido de imortalidade: “- Você será imortal em seus filhos, em tudo que os ensinou, em todo amor que plantou, em cada beijo que ofereceu. Sua vida gritará tão forte na vida deles que eles nem perceberão que cada atitude deles será um gesto seu. VOCÊ NUNCA MORRERA DENTRO DELES. Dou-te a IMORTALIDADE como presente por ser Mãe”!

 

Bjus!!!

Jaqueline Medeiros :*